sexta-feira, fevereiro 23, 2024
spot_img

Marinho compara assembleia de trabalhadores à de condomínios para cobrar taxa

O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, comparou nesta sexta-feira (6) a assembleia de trabalhadores à de moradores de condomínios no que diz respeito às negociações coletivas e à cobrança da contribuição assistencial.

“Assim como a assembleia de condôminos pode rejeitar uma proposta do síndico ou de uma comissão de condôminos, a assembleia de trabalhadores também pode rejeitar a proposição de uma contribuição negocial. Assim como pode rejeitar a proposta de acordo coletivo. Então, essa é a essência do debate que deve ser feito”, disse.

A comparação do ministro foi feita para uma plateia de sindicalistas em evento no Sindp (sindicato de processamento de dados), promovido pela CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros), para debater a cobrança da contribuição assistencial após o STF (Supremo Tribunal Federal) julgar a constitucionalidade da taxa.

Segundo Marinho, quando o condomínio precisa de melhorias, de investimento, na assembleia de condôminos é apresentada a proposta e discutido o rateio. O morador pode se opor, mas se a maioria que estiver presente aprovar, mesmo quem é contra terá de pagar os valores.

“A assembleia de condomínios e condôminos, a partir do síndico, traz uma proposta de investimento. E esse investimento precisa, portanto, ter um rateio. Todo esse rateio, esse investimento vai beneficiar a todos os condôminos. Aí, uma parte diz: ‘não, eu não quero pagar o rateio’, mas se ele está beneficiado, ele partilha do custeio daquele investimento”, afirmou.

Em julgamento que terminou em 11 de setembro, o STF autorizou a cobrança da taxa de trabalhadores sindicalizados ou não, desde que definida em assembleia e com direito de se opor. Desde então, o debate sobre o tema tem tomado conta do país.

Marinho disse ainda que as posições do Supremo têm sido críticas, mas ocorrem por omissão do Congresso e porque, na reforma trabalhista de 2017, os parlamentares tomaram “uma decisão de destruição, descontrole e enfraquecimento” das representações sindicais.

“Acabou, na minha visão, corretamente com o imposto sindical, mas não criou a condição necessária de dizer que a sustentação financeira dos sindicatos interessa à sociedade brasileira, interessa à classe trabalhadora brasileira e interessa às empresas brasileiras”, disse.

“É verdade que há um processo crítico no Supremo, que tem feito em legislar. Mas, muitas vezes, o Supremo em legisla pela ausência do legislativo, do Congresso Nacional”.

As centrais sindicais definiram regras e recomendações que devem ser seguidas por sindicatos sobre a cobrança da contribuição assistencial de sindicalizados ou não após decisão do STF.

Dentre os principais pontos estão a proibição de fixação de percentual ou valor abusivo, a ser definido conforme a realidade econômica da categoria; a determinação de que a assembleia é o local onde serão definidos valores e percentuais, além das regras sobre e a cobrança; a possibilidade de punição de práticas antissindicais; o direito de oposição à contribuição não poderá ser feito na empresa; e a implantação de Ouvidorias pelas centrais para recebimento de denúncias.

Os pontos, porém, não são consenso. Há um debate entre os sindicatos sobre a cobrança de valores retroativos. Alguns entendem que ela pode ser feita e outros, não.

O ponto ficou em aberto no documento das centrais, sem menção expressa, mas o grupo é contra.

Antonio Neto, presidente da CSB, é um dos que defende o retroativo se a cobrança foi acertada em acordo ou convenção coletiva, com prazo para oposição e respeitando TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com o MPT (Ministério Público do Trabalho).

“As empresas, nos últimos anos, estavam acostumadas a não dar bola para os sindicatos. Porque o governo anterior dizia o seguinte, quer ter direitos, você não vai ter emprego. Quer emprego, abra mão dos direitos. Aqui é o inverso. A partir deste ano, 1º de janeiro, agora diz o seguinte, quer emprego, vai ter emprego decente, salário digno e respeito aos trabalhadores e ao movimento sindical”, disse Neto no evento.

Cristiane Gercina/William Castanho/Folhapress

Latest Posts

spot_imgspot_img
[tdn_block_newsletter_subscribe title_text="Manter contato" description="UGFyYSUyMGVzdGFyJTIwYXR1YWxpemFkbyUyMGNvbSUyMGFzJTIwJUMzJUJBbHRpbWFzJTIwbm90JUMzJUFEY2lhcy4=" input_placeholder="Endereço de email" tds_newsletter2-image="5" tds_newsletter2-image_bg_color="#c3ecff" tds_newsletter3-input_bar_display="row" tds_newsletter4-image="6" tds_newsletter4-image_bg_color="#fffbcf" tds_newsletter4-btn_bg_color="#f3b700" tds_newsletter4-check_accent="#f3b700" tds_newsletter5-tdicon="tdc-font-fa tdc-font-fa-envelope-o" tds_newsletter5-btn_bg_color="#000000" tds_newsletter5-btn_bg_color_hover="#4db2ec" tds_newsletter5-check_accent="#000000" tds_newsletter6-input_bar_display="row" tds_newsletter6-btn_bg_color="#da1414" tds_newsletter6-check_accent="#da1414" tds_newsletter7-image="7" tds_newsletter7-btn_bg_color="#1c69ad" tds_newsletter7-check_accent="#1c69ad" tds_newsletter7-f_title_font_size="20" tds_newsletter7-f_title_font_line_height="28px" tds_newsletter8-input_bar_display="row" tds_newsletter8-btn_bg_color="#00649e" tds_newsletter8-btn_bg_color_hover="#21709e" tds_newsletter8-check_accent="#00649e" embedded_form_code="JTNDIS0tJTIwQmVnaW4lMjBNYWlsQ2hpbXAlMjBTaWdudXAlMjBGb3JtJTIwLS0lM0UlMEElMEElM0Nmb3JtJTIwYWN0aW9uJTNEJTIyaHR0cHMlM0ElMkYlMkZ0YWdkaXYudXMxNi5saXN0LW1hbmFnZS5jb20lMkZzdWJzY3JpYmUlMkZwb3N0JTNGdSUzRDZlYmQzMWU5NGNjYzVhZGRkYmZhZGFhNTUlMjZhbXAlM0JpZCUzRGVkODQwMzZmNGMlMjIlMjBtZXRob2QlM0QlMjJwb3N0JTIyJTIwaWQlM0QlMjJtYy1lbWJlZGRlZC1zdWJzY3JpYmUtZm9ybSUyMiUyMG5hbWUlM0QlMjJtYy1lbWJlZGRlZC1zdWJzY3JpYmUtZm9ybSUyMiUyMGNsYXNzJTNEJTIydmFsaWRhdGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlMjBub3ZhbGlkYXRlJTNFJTNDJTJGZm9ybSUzRSUwQSUwQSUzQyEtLUVuZCUyMG1jX2VtYmVkX3NpZ251cC0tJTNF" descr_space="eyJhbGwiOiIxNSIsImxhbmRzY2FwZSI6IjE1In0=" tds_newsletter="tds_newsletter3" tds_newsletter3-all_border_width="0" btn_text="Inscrever-se" tds_newsletter3-btn_bg_color="#ea1717" tds_newsletter3-btn_bg_color_hover="#000000" tds_newsletter3-btn_border_size="0" tdc_css="eyJhbGwiOnsibWFyZ2luLWJvdHRvbSI6IjAiLCJiYWNrZ3JvdW5kLWNvbG9yIjoiI2E3ZTBlNSIsImRpc3BsYXkiOiIifSwicG9ydHJhaXQiOnsiZGlzcGxheSI6IiJ9LCJwb3J0cmFpdF9tYXhfd2lkdGgiOjEwMTgsInBvcnRyYWl0X21pbl93aWR0aCI6NzY4fQ==" tds_newsletter3-input_border_size="0" tds_newsletter3-f_title_font_family="445" tds_newsletter3-f_title_font_transform="uppercase" tds_newsletter3-f_descr_font_family="394" tds_newsletter3-f_descr_font_size="eyJhbGwiOiIxMiIsInBvcnRyYWl0IjoiMTEifQ==" tds_newsletter3-f_descr_font_line_height="eyJhbGwiOiIxLjYiLCJwb3J0cmFpdCI6IjEuNCJ9" tds_newsletter3-title_color="#000000" tds_newsletter3-description_color="#000000" tds_newsletter3-f_title_font_weight="600" tds_newsletter3-f_title_font_size="eyJhbGwiOiIyMCIsImxhbmRzY2FwZSI6IjE4IiwicG9ydHJhaXQiOiIxNiJ9" tds_newsletter3-f_input_font_family="394" tds_newsletter3-f_btn_font_family="" tds_newsletter3-f_btn_font_transform="uppercase" tds_newsletter3-f_title_font_line_height="1" title_space="eyJsYW5kc2NhcGUiOiIxMCJ9"]